Blog

Não termine mal!

1433 views

Albert Einstein foi considerado o pai da física, pois suas teorias revolucionaram o mundo e são usadas até hoje.

Seu nome é unanimidade entre os cientistas, e foi eleito a personalidade do século XX.

Mas o início da sua vida não foi de um gênio. Albert Einstein foi o primeiro filho do casal Hermann e Pauline, e as primeiras recordações registradas do nascimento do bebê, na cidade alemã de Ulm, foi a preocupação com o tamanho e angulação da parte posterior de sua cabeça. Foram os avós os primeiros a esboçar preocupação, pois pairava sobre toda a família o receio de que a criança viesse a ser retardada.

Essa aflição se estendeu por muito tempo devido à demora que o pequeno Albert teve para falar. Ele tentava com muito esforço pronunciar as palavras, mas só conseguiu perto dos três anos de idade.

Nessa época, sua família já havia se mudado para Munique, e ali ele estudou até os 15 anos sem despertar grande atenção na escola. A maior parte do seu crescimento nos estudos deu-se de forma independente dos professores.

Longe da família, ele decidiu continuar seus estudos na Suíça, onde tentou ingressar na Escola Politécnica, em Zurique. Já havia completado 16 anos, mas a idade de admissão era de 18 anos, no entanto, abriam exceções para quem alcançasse o padrão. Albert Einstein não conseguiu notas em várias disciplinas, embora tivesse notas altíssimas em matemática e física. Precisou, então, frequentar mais dois anos de escola secundária na Suíça para depois ser admitido com sucesso. Que isso não seja uma desculpa para os estudantes relaxarem e se darem mal em seus compromissos escolares, rs.

Após se formar, ele teve dificuldades para conseguir seu primeiro emprego, como qualquer um de nós, e, para lecionar como queria, teve que contar com a ajuda do pai de um amigo, segundo contam.

O restante da história você conhece muito bem. Ele teve uma carreira brilhante e seus estudos contribuíram muito para o avanço do conhecimento em muitas áreas.

Ah! Ia me esquecendo de contar algo que também me chamou atenção. Sabe aquela cabeça estranha que meteu medo na família? Se transformou em objeto de estudo. Após a morte de Einstein, seu corpo foi cremado, mas seu cérebro foi doado a Thomas Harvey, patologista do Hospital de Princeton para pesquisas.

Diante de um trechinho da história dele e de tantos outros que começaram a vida com tanta dificuldade, mas terminaram tão bem, vemos que pessoas que começaram mal podem terminar bem.

Porém, o inverso também acontece. Pois, quanto são aqueles que começam muito bem, a ponto de as pessoas ao redor pensarem “Esse vai longe!”, mas, para a frustração de todos, terminam mal?

Um exemplo claro disso é o de Judas, discípulo do Senhor Jesus, que começou de forma extraordinária, porque foi selecionado em meio a uma nação para se tornar um dos doze homens que levariam a maior mensagem Divina à humanidade, mas terminou muito mal!

Em contrapartida, vemos o ladrão arrependido ao lado do Senhor Jesus na cruz. Começou e levou a vida tão mal, mas conseguiu concluí-la tão bem. Isto é, vemos que tudo depende das escolhas que fazemos diariamente, somos o fruto de cada decisão que tomamos, por menor que seja.

Finalizo essa mensagem para escrever a você que se sente no fundo do poço, sem esperanças. Talvez seu ano não foi como você esperava, seus planos e sonhos não se realizaram, e por isso suas forças estão se exaurindo. Intimamente, você está se rendendo para abrir mão de coisas preciosas, porque afirma não ter mais forças. Mas saiba que isso não é verdade! Se estamos vivos, temos sim forças, basta querer!

Ninguém luta prostrado e enfraquecido, por isso você tem que se levantar e arregaçar as mangas para enfrentar o novo ano! Se você começou sua caminhada com Deus prossiga, nada de capengar agora e arriscar terminar mal sua carreira da fé.

Renove suas forças em Deus e, se for preciso, zere seu passado e comece de novo, mas desistir e terminar mal, jamais!

Um beijo e até a próxima!