Blog

Quantos anos você realmente tem?

605 views

Os 364 dias do ano não têm o mesmo gosto de um único dia: o dia do nosso aniversário. Estar viva, ser lembrada pelos amigos, receber carinho, presentes, estar com as pessoas queridas… tudo isso é muito legal! Porém, com o passar dos anos, os aniversários vão se tornando mais reflexivos, porque começamos a entender o valor da vida, do tempo e das oportunidades. Sem nos darmos conta, associamos aquele dia que era tão gostoso ao temido envelhecimento.

A sociedade propaga que envelhecer é sinônimo de rugas, dependência, perdas, esquecimentos… ninguém aponta algo positivo!

Para mim, fazer aniversário é ter um dia para me lembrar que o tempo está passando e que eu preciso me adaptar as mudanças que ele traz e usufruir do privilégio da vida. Veja, não é ficar infeliz, pois os anos trazem maturidade, experiências e com isso, menos chances de errar.

Eu penso que para o corpo existe a contagem dos anos, mas para a alma não tem idade. Ela não está sujeita ao tempo cronológico, por isso um interior saudável pode influenciar na idade que a pessoa aparenta. Mesmo que isso nem seja seu objetivo!

Tem mulheres jovens que agem, reagem, se vestem e se comportam como senhoras. E, tem senhoras com um espírito tão jovem, bem-humoradas e em constante aprendizado que não aparentam a idade que tem.

Falamos tanto em não nos compararmos com outras mulheres, mas às vezes nos comparamos com a mulher que éramos na juventude.

É nostálgico lembrar da fartura de cabelos que tínhamos aos 20 anos e hoje passamos as mãos e os sentimos mais ralos e rebeldes. Sem contar a luta contra os cabelos brancos, que insistem em acampar com toda força na nossa cabeça e nos desafiar. Que difícil isso, pois sei de algumas mulheres que precisam retocar suas raízes toda semana.

A pele, antes firme e resistente a tudo, vai mudando a textura e lentamente uma ruguinha e uma “sobrinha” aqui e ali, rs. Sem contar o metabolismo rápido que ajudava a perder peso em uma semana, e agora, após um mês de dieta o ponteiro da balança quase não se move.

As mudanças no corpo são muitas, mas não adianta reclamar se não encararmos os desafios de maneira correta.

Eu vejo a passagem do tempo como algo que tem me acrescentado virtudes que eu jamais conseguiria se fosse uma menininha sempre. Sou consciente que algumas mudanças não são muito agradáveis, mas como não sou a única no mundo a passar por isso… aliás, isso é algo super democrático, todos passam!

Posso dizer também que foi muito bom o que vivi… no entanto, a melhor fase da minha vida é a que eu estou vivendo hoje. Essa é a minha chance de viver e servir ao meu Deus, servindo as pessoas.

Portanto, reveja o seu conceito de envelhecer e não perca de vista o seu foco na vida, mesmo que esteja com limitações e dificuldades. Viver cada fase é essencial para o crescimento humano.

Um beijo e até a próxima!