Blog

Obreira que roubava a Deus!

1790 views

ob-rouba260-1900x748Atendi há alguns dias atrás uma obreira, que falava comigo sobre as suas diversas lutas, a todos os níveis.

Disse-me que havia passado por momentos muito difíceis, que quase fizeram a sua fé desfalecer.

Afirmou também, de forma muito humilde, que chegou a ter a sua salvação em risco, por causa de tantas lutas. Ela não conseguia perceber o porquê de viver aquele inferno de vida, sendo uma suposta serva de Deus.

A sua voz embargada, os seus olhos cheios de lágrimas, e com o semblante envergonhado, assumiu que, nessa altura, estava distante de Deus e que fazia a Obra relaxadamente. A sua vida estava toda amarrada, o seu tempo era consumido pelos afazeres do dia-a-dia; não conseguia fazer nada e nem tempo para vestir o uniforme ela tinha.

A nossa conversa foi muito produtiva, durou cerca de duas horas, e quando lhe perguntei se lia a Palavra de Deus e qual a última vez que leu, prontamente me respondeu que havia lido naquela manhã. Novamente a questionei: “Mas o que Deus falou contigo? Passa-me o espírito do que leste.” De imediato, ela disse:

“Foi muito forte, o que Deus me mostrou numa Palavra que lemos há anos, mas que nunca tinha visto dessa forma:

“Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. (Malaquias 3:8 )

Enquanto meditava, só dizia: “Mas eu não roubo, sou fiel dizimista e ofertante… Afinal o que Deus quer falar comigo, nesta passagem?! Foi quando Deus me mostrou claramente, que eu roubava sim, quando deixava de tirar tempo para O servir com qualidade, com entrega e dedicação. Tinha tempo para tudo e para todos, menos para me dedicar à Sua Obra.”

Quando ela o disse, logo lhe mostrei que ali estava a raiz do problema; a razão pela qual a sua vida não fluía.

Apesar de compreender que são muitas as suas responsabilidades, no entanto, ela não estava a fazer tempo para Deus. Assim sendo, estava a “roubar” o tempo que a Ele pertencia!

E quando é que roubo o meu tempo para Deus?

– Quando fico a perder tempo com o que não me acrescenta benefício espiritual; com as minhas vontades, distrações, vaidades, dando vazão ao meu próprio interesse.

Minhas caras obreiras, o nosso tempo para Ele, o nosso investimento no altar, faz-nos ser o próprio dízimo e a oferta perfeita.

A obreira, depois da nossa conversa, saiu com os seus olhos abertos, e até eu fui beneficiada, pois Deus também falou comigo. Fez-me analisar onde tenho empreendido o meu tempo.

E você, obreira? Onde está a investir o seu tempo?

Deixe o seu comentário sincero e diga-me: Já tinha visto desta forma? Já havia analisado desta maneira?

Quem nunca roubou a Deus, que atire a primeira pedra!

D LuizaLuisa Teixeira.

http://vivifreitas.me/