Falso: Governador de São Paulo entregará Fundação Casa para a Universal

Mito: Mensagens que circulam pelo aplicativo WhatsApp informam que o governador de São Paulo, João Dória, “trabalha uma parceria” com a Igreja Universal do Reino de Deus “para que esta assuma as unidades” da Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente (CASA).

De acordo com as mensagens, a Fundação Casa será privatizada e todos os servidores que não concordarem com a presença da Universal, serão demitidos.

A Fundação Casa aplica medidas socioeducativas aos menores infratores, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A instituição atende jovens de 12 a 21 anos incompletos em todo o estado de São Paulo.
Eles estão inseridos nas medidas socioeducativas de privação de liberdade (internação) e semiliberdade. As medidas — determinadas pelo Judiciário — são aplicadas de acordo com o ato infracional e a idade dos adolescentes.

Verdade: a Universal jamais cogitou assumir a Fundação Casa.

O secretário de Justiça e Cidadania de São Paulo, Paulo Dimas Mascaretti, também divulgou uma nota desmentindo o boato que circula pelo WhatsApp, de privatização da Instituição e de terceirização de serviços.

O fato é que, desde 1988, a Universal mantém um programa social – Universal Socioeducativo – que ajuda na ressocialização de jovens que foram apreendidos pela prática de crimes. São 8.340 voluntários, em todo o Brasil, oferecendo aos adolescentes apoio social e psicológico e jurídico, além de cursos, palestras, entretenimento cultural e esportivo.

Em 2018, o Universal Socioeducativo atendeu 213.804 jovens internos em todos os estados brasileiros.

Igreja Universal desvia donativos de vítimas de desabamento

Prédio de 26 andares em chamas desaba em São Paulo

Mito: De acordo com um vídeo que circula nas redes sociais, a Igreja Universal estaria desviando donativos recebidos para atender as vítimas do edifício que ruiu após incêndio na madrugada desta terça-feira (1º), no Centro de São Paulo.

O vídeo mostra donativos sendo levados para um veículo da Universal, que, segundo o autor das imagens, estariam sendo furtados pela Igreja.

Verdade: Trata-se de mais um exemplo de fake news, uma notícia mentirosa, lançada, irresponsavelmente, para atacar a Igreja Universal nas redes sociais.

Conforme amplamente divulgado pela Imprensa, desde a ocorrência da tragédia, cerca de 500 voluntários da Universal estão colaborando no apoio às vítimas e no trabalho dos bombeiros, fornecendo água, isotônicos e alimentos para que os socorristas possam suportar as altas temperaturas do local.

O veículo da Universal que o vídeo mostra, estava transportando donativos para outro local, a pedido da Cruz Vermelha.

Além disso, a Universal já arrecadou mais de 2 toneladas de alimentos não perecíveis e centenas de peças de roupas e calçados, para distribuição aos desabrigados.

Há mais de 30 anos, a Igreja Universal participa de campanhas de socorro e de apoio a vítimas de tragédias, oferecendo, além de comida e abrigo, muito trabalho voluntário e solidariedade. Quem sabe o autor desse vídeo mentiroso não resolve arregaçar as mangas, e trabalha um pouco para ajudar quem precisa.

 

Aplicativo de táxi do Rio arrecada dízimo para Igreja Universal

Mito: De acordo com uma denúncia que circula pela Internet, a Prefeitura do Rio de Janeiro teria criado o aplicativo Taxi.rio para que a Igreja Universal do Reino de Deus pudesse arrecadar o dízimo de taxistas.

Verdade: A Igreja Universal não tem qualquer relação com o aplicativo Taxi.rio, como confirma o conhecido portal Boatos.org – que desmentiu o rumor.

O Taxi.rio é um app de mobilidade urbana lançado pela Prefeitura carioca em 2017, como alternativa a outros serviços como 99, Uber e Cabify.

Contudo, diferentemente do que ocorre com os aplicativos de transporte tradicionais, o Taxi.rio não cobra taxa de adesão ao sistema, ou sobre o valor das corridas realizadas. Só isso já bastaria para desqualificar a mentira, pois não dá para “arrecadar” qualquer valor de um serviço que é gratuito tanto para motoristas quanto para passageiros.

O que está por trás de uma farsa tão estapafúrdia é mais um ataque preconceituoso de ódio contra a Igreja Universal, nosso corpo eclesiástico e 9 milhões de adeptos em todo o mundo.

Duvide sempre dessas correntes sensacionalistas que poluem as redes sociais. Não se deixe enganar tão facilmente por esses covardes que avançam contra a Universal e contra o prefeito Marcelo Crivella. Eles estão por toda parte.

E não se esqueça: não é somente quem inventa os boatos, quem espalha notícias falsas para atacar a honra de uma pessoa ou a credibilidade de uma instituição também está sujeito às punições da Lei e pode ser condenado pela Justiça.

Igreja Universal vende copo d’água “diretamente do Nilo”

Mito: Por R$ 130, a Igreja Universal do Reino de Deus estaria comercializando copos com a água do Rio Nilo “bebida por Moisés”.

Verdade: Trata-se de um boato mentiroso que circula nas redes sociais desde 2015. Aliás, esse tipo de calúnia é recorrente e tem merecido da Igreja Universal, inclusive, a tomada de medidas judiciais.

O rumor sobre o copo d’água da Universal é semelhante a outros que já foram inventados, sobre venda de vassouras e sabonetes.

É preciso ter cuidado e responsabilidade com a informação que se compartilha, para não dar eco a boatos mentirosos que, mesmo sob um olhar ligeiro, deixam claro que se trata de uma fraude.

Igreja Universal estimula discriminação contra cultos afro-brasileiros

Mito: A Igreja Universal do Reino de Deus pratica “reiteradas atitudes agressivas” contra adeptos dos cultos de matriz africana, que seriam “apedrejados, espancados e surrados com Bíblias”, segundo reportagem da Agência Pública divulgada na Internet, citando estudo dos anos 1980.

A autora da matéria fez, ainda, uma relação entre o suposto aumento do número de denúncias de “discriminação por motivo religioso” e a eleição do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, bispo licenciado da Universal.

Verdade: Embora as diferentes denominações religiosas tenham crenças distintas, a Universal respeita todos os credos exatamente por defender as liberdades de religião, de pensamento e de expressão asseguradas em nossa Constituição Federal.

Assim, mesmo divergindo – como é nosso direito, assegurado pela liberdade de culto – a Universal jamais perseguiu ou atacou pessoas por suas convicções espirituais.

Pelo contrário, respeitamos a todos porque, como vítimas maiores do ódio religioso no Brasil, também exigimos o mesmo respeito.