Fé e Imaginação

Fé inteligente não é tiro no escuro.

Crê-se no invisível para tornar possível o impossível. Mas, é necessário associar a fé com a imaginação.

Fé é certeza. Porém, é impossível ter certeza de algo que não se imagina.

Sonhar, ter visão, profetizar (confessar) ou imaginar algo que se quer é obra do Espírito de Deus nos Seus servos e faz parte da fé conquistadora.

“E há de ser que, depois derramarei o Meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões.” Joel 2.28

A fé do Espírito imagina o futuro materializado no presente. E mantém-se nesse objetivo até sua realização.

Por isso, a fé é a certeza de coisas que se esperam (coisa imaginada), e a convicção de fatos que se não veem (fatos visíveis no sonho). Hebreus 11.1

Não há como separar a fé da imaginação.

Alguém genioso, difícil de se aturar, quer mudar seu comportamento por inteiro. Não quer ser mais temperamental.

Ao tomar conhecimento de que a fé em Jesus é capaz de fazer tudo novo, inclusive ser uma nova criatura, então nasce o desejo de mudar.

A partir daí, imagina-se a nova criatura dócil, humilde, alegre e cheia de paz.
Em seguida, busca-se, por meio da fé, usando seus recursos: meditação na Palavra de Deus, oração, jejum e, sobretudo, abandono dos pecados.

Essa ação da fé provoca a reação do Espírito Santo para gerar nela a nova criatura tão sonhada.

“Mas aquele que beber da água que Eu lhe der nunca terá sede, porque a água que Eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.” João 4.14